OUÇA AO VIVO

Nenhum evento encontrado!

Prefeitura realiza ações para combate do trabalho infantil em feiras livres

A Prefeitura de Aracaju, por intermédio da Secretaria Municipal da Assistência Social, deu início ao processo de levantamento de dados do trabalho infantil nas

A Prefeitura de Aracaju, por intermédio da Secretaria Municipal da Assistência Social, deu início ao processo de levantamento de dados do trabalho infantil nas feiras

A Prefeitura de Aracaju, por intermédio da Secretaria Municipal da Assistência Social, deu início ao processo de levantamento de dados do trabalho infantil nas feiras livres da capital sergipana. Durante o final de semana, 8 e 9, as ações foram realizadas nas feiras dos bairros Coroa do Meio, Grageru, Bugio e bairro América. As intervenções devem acontecer até o dia 16 de junho, em 15 feiras livres da cidade.

As ações estão sendo comandadas pelas Coordenadorias da Vigilância Socioassistencial, da Proteção Social Especial do Sistema Único da Assistência Social (Suas) e pela Gerência das Ações Estratégicas do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Aepeti). Durante as intervenções são coletados dados sobre crianças e adolescentes que fazem das feiras livres seus espaços de trabalho.

“Historicamente fazemos ações de sensibilização e conscientização com as nossas equipes em nossas unidades e em feiras livres. Mas, precisamos, mais do que nunca, ter um número perto do real para que possamos medir o verdadeiro impacto do nosso trabalho. Precisamos saber quantas crianças e adolescentes usam a feira para trabalhar e quais são as suas principais demandas, assim poderemos traçar novas intervenções, ainda mais efetivas, para o combate ao trabalho infantil”, ressaltou o coordenador da Proteção Social Especial de Alta Complexidade, Edilberto Rodrigues Filho.

O levantamento subsidiará o diagnóstico do trabalho infantil do município de Aracaju, que tem como principal objetivo auxiliar no planejamento de ações de combate e erradicação dessa violação de direito.

“Essa ação faz parte da programação alusiva ao 12 de junho, que é o mês de enfrentamento no Brasil à situação de trabalho infantil. Estaremos durante toda a semana buscando e identificando crianças em situação de trabalho infantil e adolescentes que necessitam da proteção social, que posteriormente, depois de identificados, serão encaminhados às possíveis vagas de aprendizagem destinadas a adolescentes. As crianças serão encaminhadas aos nossos equipamentos para que elas e suas famílias possam ter o direito à proteção social e transferência de renda”, destaca a técnica de referência do Aepeti, Marirroze Villanova.

De acordo com a coordenadora da PSE de Média Complexidade, Catharina Menezes, para o levantamento de dados, estão envolvidas equipes de educadores sociais, assistentes sociais, além de outros profissionais ligados a PSE. “Esses profissionais já tem expertise no serviço de Abordagem Social e poderão identificar com bastante propriedade os casos de trabalho infantil. O trabalho desses profissionais é de extrema relevância, tendo em vista que eles poderão, também, realizar encaminhamentos quando necessário”, explica a coordenaodra Catharina Menezes.

 

 

Foto e fonte: AAN

Por: Rede Cultura de Comunicação

Postado: 10/06/2024

Compartilhar:

Notícias relacionadas